11 remédios caseiros para aliviar a constipação - PiMed
Warning: getimagesize(): http:// wrapper is disabled in the server configuration by allow_url_fopen=0 in /home/pimed/app/default/views/scripts/artigo/index.phtml on line 14

Warning: getimagesize(http://www.pimed.com.br/img/artigos/zczz7dy2za.jpg): failed to open stream: no suitable wrapper could be found in /home/pimed/app/default/views/scripts/artigo/index.phtml on line 14

Matérias

Gostei

11 remédios caseiros para aliviar a constipação

Se o seu intestino não funciona bem e você sofre com constipação, veja dicas de alimentação e hábitos que podem te ajudar com o problema

A constipação é um problema extremamente comum.

 

Ela pode ser causada por alimentos que você come ou evita, escolhas de estilo de vida, medicação ou outras doenças  (1, 2). Mas para muitas pessoas, a causa de sua constipação crônica é muitas vezes desconhecida. Nos referimos a esse problema como obstipação idiopática crônica, de longa evolução, sem causa orgânica conhecida.

 

A obstipação é caracterizada por menos de três movimentos intestinais por semana. No entanto, também pode envolver outros sintomas desagradáveis, como desconforto na hora de ir ao banheiro, inchaço abdominal e dor.

 

Infelizmente, a constipação pode ter um sério efeito negativo na qualidade de vida, bem como na sua saúde física e mental (3, 4, 5, 6). Mas há muitas maneiras naturais de ajudar a aliviar a constipação.

 

Aqui eu dou dica de 13 remédios caseiros naturais para aliviar a constipação. Não deixe de ler e compartilhar!

 

1. Beber muita água

 

Estar desidratado regularmente pode fazer com que você fique também constipado. Ou seja, para evitar isso, é importante beber bastante água e manter-se hidratado (7, 8, 9, 10).

 

Alguns estudos sugerem que água com gás é ainda mais eficaz do que a água natural para aliviar a constipação. Isto inclui as pessoas com obstipação idiopática crônica ou síndrome do intestino irritável (IBS) (11, 12, 13, 14).

 

No entanto, não beba bebidas açucaradas, como refrigerantes, poies eles são uma má escolha para a sua saúde e podem piorar ainda mais a sua constipação (15, 16).

 

 

2. Coma mais fibra

 

Frequentemente se aconselha a ingestão de fibras para pessoas que estão constipados (17, 18).

 

Isso ocorre porque o aumento da ingestão de fibra é aumenta o volume e consistência das fezes, tornando-as mais fáceis de passar (19). De fato, um estudo recente constatou que 77% das pessoas com constipação crônica se beneficiaram com uma dieta com fibras (20). No entanto, alguns estudos descobriram que o aumento da ingestão de fibras pode realmente piorar o problema (21).

 

Outros estudos descobriram que, enquanto a fibra dietética pode aumentar a frequência das evacuações, ele não ajuda com outros sintomas de constipação. Estes incluem a consistência das fezes, dor, inchaço e gás (19). Isso ocorre porque o tipo de fibra dietética que você adicionar à sua dieta é importante.

 

Existem muitas fibras alimentares diferentes, mas de um modo geral, elas se dividem em duas categorias:

 

Fibras insolúveis - Encontrada em legumes e grãos integrais. Elas acrescentam massa para as fezes e são pensados para ajudá-las a passar mais rapidamente e facilmente através de seu sistema digestivo.

 

Fibras solúveis - Encontrada em nozes, sementes, feijões, lentilhas e ervilhas, bem como algumas frutas e legumes. Elas absorvem água e formam uma pasta do tipo “gel”, que suaviza as fezes e melhora a consistência.

 

Estudos que examinaram os efeitos da fibra insolúvel como tratamento para a constipação foram inconclusivos (22). Isto é porque a fibra insolúvel pode tornar o problema pior em algumas pessoas com um problema intestinal funcional (23, 24). Algumas fibras solúveis fermentáveis também podem ser ineficazes no tratamento da obstipação, pois são fermentadas pelas bactérias no intestino e perdem a sua capacidade de retenção de água (25).

 

Para prevenir a constipação, você deve consumir uma mistura de fibras solúveis e insolúveis. A ingestão total recomendada de fibra por dia é de 25 gramas para as mulheres e 38 gramas para os homens (25, 26, 27, 28, 29, 30, 31).

 

 

3. Se exercite mais

 

Muitos estudos têm mostrado que o exercício não afeta a frequência de evacuações (32). No entanto, um estudo recente randomizado controlado com pessoas constipadas encontrou alguns resultados interessantes. Ele descobriu que o exercício reduz significativamente os sintomas da doença (33).

 

Enquanto muitos estudos descobriram que o exercício não afeta o número de vezes que as pessoas vão para o banheiro, atividades físicas reduzem alguns sintomas de incômodo constipação (34, 35).

 

Então, se você está constipado, procure fazer caminhadas regulares, por exemplo.

 

4. Beba café

 

Para algumas pessoas, o café pode aumentar a vontade de ir ao banheiro. Isto porque o café estimula os músculos em seu sistema digestivo (36, 37). Pesquisas apontam que o café pode estimular seu intestino, da mesma forma que uma refeição. Este efeito é 23% mais forte do que o consumo de café descafeinado (38).

 

A bebida também pode conter pequenas quantidades de fibras solúveis que ajudam a prevenir a constipação, melhorando o equilíbrio de suas bactérias intestinais (39, 40, 41).

 

5. Tome Senna (um laxante de ervas)

 

O laxante herbal Senna é comumente usado para aliviar a constipação (42).

 

Senna contém uma série de compostos de plantas chamados glicosídeos, que estimulam os nervos em seu intestino e aceleram seus movimentos intestinais (43, 44). O seu uso é geralmente considerado seguro para adultos por curtos períodos de tempo, mas você deve consultar seu médico caso os sintomas não desaparecem após alguns dias.

 

E atenção, este laxante geralmente não é recomendado para mulheres grávidas, amamentando ou pessoas com doença inflamatória intestinal.

 

6. Coma probióticos

 

Os probióticos podem ajudar a prevenir a constipação crônica.

 

As pessoas que têm a obstipação crônica apresentam um pior equilíbrio das bactérias no seu intestino. Os alimentos probióticos podem ajudar a melhorar este equilíbrio e prevenir a constipação (45, 46).

 

Eles também ajudam a tratar a constipação, pois produzem ácido láctico e ácidos graxos de cadeia curta, que melhoram os movimentos do intestino (47). Um estudo recente constatou que os probióticos parecem tratar a constipação funcional, aumentando a frequência de evacuações e melhorando a consistência das fezes (48, 49).

 

7. Laxantes

 

Você pode conversar com o seu médico sobre a escolha de um laxante eficaz (50, 51).

 

Eles podem aumentar o teor de água de fezes, facilitar a sua passagem através do intestino, estimular os nervos em seu intestino para aumentar os movimentos intestinais. No entanto, a maioria destes laxantes não devem ser tomadas regularmente, sem que você primeiro fale com o seu médico.

 

8. Coma prebióticos

 

A fibra dietética aumenta a consistência das fezes e sua massa, o que melhora a frequência do movimento intestinal. Fibras prebióticas melhoram a saúde digestiva, alimentando as bactérias amigáveis ??em seu intestino. Isso pode melhorar o equilíbrio de suas bactérias intestinais (52, 53).

 

Na verdade, prebióticos são ótimos para ajudar a aumentar a frequência de movimentos intestinais e tornam suas fezes mais macias (54, 55, 56, 57). Alguns alimentos que são ricos em fibra prebiótica incluem alho, cebola e bananas (52).

 

9. Recorra ao magnésio

 

O magnésio é um remédio popular contra a constipação (58).

 

Por isso, inclua sementes de abóbora ou as sementes de girassol, amêndoa, acelga, banana e abacate em sua dieta, para ajudar a reduzir os sintomas. (59).

 

10. Coma Ameixas

 

Ameixas secas e suco de ameixa são um remédio da natureza para a constipação. Além de fibra, as ameixas secas contêm sorbitol, um laxante natural (60, 61). Se você está constipado, ameixas são a solução natural mais fácil disponível (62, 63, 64).

 

11. Evite Laticínios

 

Em algumas circunstâncias, a intolerância aos produtos lácteos pode causar prisão de ventre devido ao seu efeito sobre os movimentos do intestino (65, 66, 67). Crianças com intolerância à proteína do leite de vaca e adultos com intolerância à lactose podem experimentar obstipação (68).

 

Se você acha que você pode ser intolerante ao leite, então procure removê-lo de sua dieta temporariamente e busque orientação médica.

 

Alguma outra coisa?

 

A constipação é um problema incômodo com inúmeras causas subjacentes. Se você sofre com ela, fale com o seu médico para identificar a razão da sua constipação e encontrar um tratamento eficaz.

 

Dito isto, muitos dos remédios naturais descritos neste artigo também podem te proporcionar alívio significativo.

 

Fique com Deus!

Autor(es):
Dr. Juliano Pimentel

 

Fontes:

1 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15089911
2 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26757467
3 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20180788
4 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17593068
5 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27261894
6 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12190165
7 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16028566
8 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14681719
9 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9926630
10 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20646222
11 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12352219
12 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24420006
13 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21551998
14 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19502016
15 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22676475
16 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23493538
17 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26514720
18 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19335713/
19 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23326148
20 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27170558
21 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3435786/
22 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21332763
23 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7912305/
24 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23545709
25 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4415970/
26 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24005363/
27 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27125883
28 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9663731
29 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19521341
30 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16008641
31 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21737769
32 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16875507/
33 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21206488/
34 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18461499/
35 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3206558/
36 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2338272
37 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10499460
38 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9581985
39 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23551139
40 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19217682
41 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21067233
42 – http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2835784
43 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8234429
44 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26171992
45 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16169298/
46 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19300120
47 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25611063
48 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25099542
49 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4000641/
50 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25083062
51 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26016701
52 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3705355/
53 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15198901
54 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2607002/
55 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9895419
56 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9742466
57 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26232505
58 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2780140/
59 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMHT0011020/
60 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11401245
61 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24090144
62 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21323688
63 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25109788
64 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21643036
65 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17956597/
66 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3401057/
67 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24443063
68 - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3533146/

ÚltimasMatérias